BRASIL

Comissão de Atletas firma apoio à criação do e-Museu do Esporte

 Integram a CNA nomes que ajudaram a fazer a história do esporte brasileiro, como as ex-jogadoras de vôlei Leila, Ida e Adriana Behar (vôlei de praia), o ex-iatista Lars Grael e a ex-ginasta Luísa Parente. Eles endossaram o projeto do e-museu, a ser implantado no Velódromo Olímpico. Muitos se colocaram à disposição para colaborar na montagem do acervo, seja com depoimentos de suas trajetórias e até com pertences que possam ficar em exibição.

 
“O objetivo do e-museu é unificar e preservar a memória do esporte do país. E será o primeiro do gênero no Brasil com plataforma na internet. Trata-se também de um legado olímpico”, comentou o presidente da AGLO.
 
Atletas defendem Marcel como vice do COB
 
A CNA também deliberou sobre a quem apoiar para a vice-presidência do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), na eleição marcada para o fim de março. Zico propôs que o conselho se posicionasse sobre a questão, e os integrantes por maioria fecharam questão em torno do nome do ex-jogador de basquete da seleção Marcel de Souza, que é um dos candidatos.
 
“É emblemático para a CNA apoiar um ex-atleta”, disse Zico, no que foi acompanhado pelos demais membros do conselho. “O Tiago Camilo, que preside a Comissão dos Atletas no COB, também apoia o Marcel e disse que os 12 integrantes da comissão pensam da mesma forma”, contou Lars Grael.
 
Adriana Behar fez uma apresentação sobre como é feita a aplicação da Lei Agnelo Piva nos projetos aprovados pelo COB. Gerente geral de planejamento esportivo do comitê, ela detalhou os critérios utilizados para a distribuição de recursos às confederações/atletas no Programa Olímpico. 
 
Novas confederações, como as de Beisebol/Softbol, Escalada, Karatê, Skate e Surf - esportes que passaram a ser olímpicos e estarão nos Jogos de Tóquio, em 2020 – já estão incluídas na previsão de recursos (investimentos) do COB para 2018. Cada uma delas parte do piso anual de receita a ser repassado no valor de R$ 719.696,97.
 
“Temos seguido um rigoroso processo de investimento, com base sempre na relevância de cada projeto das confederações, tendo sempre como objetivo melhorar os resultados esportivos do Brasil, bem como elevar a maturidade em gestão das confederações”, afirmou Adriana Behar, bicampeã mundial, duas vezes medalhista olímpica, e hexacampeã do Circuito Mundial de Vôlei de Praia.
 
Fonte: Ministério do Esporte